O portal de notícias que mais cresce em Tocantins

Agronegócio favorece balança comercial brasileira, mas gasto com fertilizante sobe 178%

Obtenha atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Os preços elevados das commodities mantêm o saldo da balança comercial aquecido. Embora o ritmo das exportações, em volume, tenha diminuído neste ano, as receitas continuam atingindo recordes.

Os dez principais produtos do agronegócio brasileiro renderam US$ 46,9 bilhões nos cinco primeiros meses deste ano, um volume bem superior aos US$ 36,8 bilhões de igual período de 2021.

Efeitos climáticos sobre lavouras, retenção de produtos por diversos países nestes tempos de guerra e oferta menor de alimentos trouxeram ao mercado externo de commodities efeitos não vistos antes. Os preços dispararam, elevaram as taxas de inflação pelo mundo e devem colocar acima de 300 milhões de pessoas em estado de fome aguda, segundo a ONU.

A soja, líder nacional na balança comercial, teve uma queda de 15 milhões de toneladas exportadas em maio do ano passado, para 10,6 milhões no mesmo mês deste ano. Apesar do recuo, as receitas do mês somaram US$ 6,6 bilhões e ficaram no mesmo patamar das de 2021. O preço médio da soja teve valorização de 38% no período, subindo para US$ 617 por tonelada.

Com base nessa evolução de preços, a Abiove (Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais) reajustou o total de receitas do complexo soja (grãos, farelo e óleo) para US$ 58 bilhões neste ano, bem acima dos US$ 48 bilhões de 2021.

Esse aumento de receita ocorre mesmo com a previsão de redução das exportações da oleaginosa para 77 milhões de toneladas. Em 2021, foram 86 milhões.

À exceção da carne suína, as demais commodities vêm registrando boa valorização neste ano. Os preços do café lideram, com aumento de 80%, na comparação de maio deste ano com igual período de 2021.

O Brasil, o principal fornecedor mundial, tem uma produção inferior ao que se esperava, devido aos efeitos das geadas ocorridas no ano passado. Mesmo com ritmo menor das exportações, as receitas do setor deste ano já superam em 54% as de janeiro a maio do ano passado.

As carnes bovina e de frango também mostram bom desempenho. A demanda continua aquecida, e os preços internacionais se mantêm elevados. As três proteínas “in natura” (bovino, suíno e frango) somam US$ 8,8 bilhões neste ano.

A Secex (Secretaria de Comércio Exterior) registra alta de 31% no valor médio da tonelada de carne bovina, que subiu para US$ 6.455 no mês passado. A evolução da carne de frango no mercado internacional foi ainda maior, atingindo 35% no período. A tonelada da proteína foi para US$ 2.100.

A carne suína destoa das demais. Recomposição parcial do rebanho de suínos da China e lockdown no país asiático, devido à Covid-19, diminuíram o apetite chinês no mercado internacional, interferindo nos preços. Após exportar acima de US$ 1 bilhão nos cinco primeiros meses de 2021, o Brasil conseguiu apenas US$ 835 milhões neste. O volume exportado caiu 7% no acumulado do ano.

Uma das surpresas da balança do agronegócio foram as vendas externas de trigo. Apesar da tradicional dependência, o país aproveitou os preços externos e colocou 2,45 milhões de toneladas de trigo no exterior, 332% a mais do que no ano passado.

O Brasil pôs um bom volume do cereal em 14 países de diversos continentes. A Arábia Saudita foi a líder nas importações, comprando 505 mil toneladas.

Indonésia, Vietnã, Paquistão, Marrocos, Angola e Israel também estiveram nessa lista.

O algodão foi beneficiado pela alta do petróleo. A elevação dos preços da fibra sintética fez o produto subir 33%. Mesmo com exportações 24% inferiores neste ano, as receitas se mantiveram próximas das de maio de 2021.

O cenário internacional, que provocou alta nos preços das commodities agropecuárias, trouxe também pesados custos para os produtores brasileiros, principalmente na compra de insumos.

As dificuldades na obtenção de fertilizantes fizeram os importadores brasileiros acelerar as compras. No mês passado, o país importou 4,1 milhões de toneladas, um recorde para os meses de maio e 57% a mais do que em 2021. Normalmente, esse é um volume adquirido apenas no segundo semestre.

A disparada dos preços dos fertilizantes, devido à pandemia, à redução de produção, a dificuldades no transporte marítimo e à invasão da Ucrânia pela Rússia, fez o Brasil gastar US$ 9,6 bilhões com esses produtos nos cinco primeiros meses do ano. Esse valor supera em 178% o de janeiro a maio do ano passado. Foram adquiridos 15,2 milhões de toneladas.

 

Obtenha atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.