O portal de notícias que mais cresce em Tocantins

Milhares se juntam em Washington em protesto contra o racismo

Obtenha atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Manifestantes começaram a se juntar em Washington para um grande protesto neste sábado contra o assassinato de um homem negro por um policial branco, ocorrido no final do mês passado nos Estados Unidos.

George Floyd, de 46 anos, morreu em 25 de maio em Mineápolis, assassinado por um policial branco que não se importou em ficar nove minutos com o joelho em seu pescoço apesar de gritos de várias pessoas alertando que ele o estava matando. O crime causou protestos contra racismo e brutalidade policial que se espalharam pelo mundo.

Alguns ativistas pediram pelas redes sociais que 1 milhão de pessoas participem da manifestação na capital dos Estados Unidos.

“Temos muito público e informações para prever que o evento deste sábado pode se tornar um dos maiores que já tivemos na cidade”, disse o chefe da polícia local, Peter Newsham. A imprensa local previu que dezenas de milhares de pessoas participarão.

Seis ônibus deixaram centenas de militares, a maioria com colete à prova de balas e escudos, perto da Casa Branca neste sábado, informou um fotógrafo da Reuters. Veículos militares foram estacionados nas ruas da cidade.

Senar

Na escadaria para o Lincoln Memorial, um pequeno grupo de manifestantes cantava enquanto mais pessoas chegavam. Garrafas de água e snacks gratuitos foram disponibilizados perto de uma igreja.

Delonno Carroll, um trabalhador da construção civil de 27 anos, afirmou que decidiu aderir ao protesto porque simplesmente “não consegue” ficar em casa assistindo a tudo. “Nossas vozes precisam ser ouvidas”, disse. “Nunca mais queremos ver um homem clamando pela sua mãe nas ruas e tendo que passar pelo que George Floyd passou.”

“Táticas extremas”

O vídeo da morte de Floyd, gravado por um transeunte, mostrou o homem implorando pela vida e dizendo aos policiais que não podia respirar, antes de emudecer e morrer asfixiado.

Um segundo memorial foi realizado neste sábado na Carolina do Norte, onde Floyd nasceu. Centenas de pessoas formaram fila em Raeford para relembrar o norte-americano em um culto público, e uma outra reunião, desta vez privada, será realizada para a família.

Obtenha atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.